hosting menu left
hosting menu right


Passeio de Mini Honda

Olá,


Hoje foi um dia especial. Especial por diversas razões. 

Hoje foi o dia em que fiz um passeio com aquela pessoa que me confiou uma mota pela primeira vez.

 

O meu grande amigo António Correia.


Melhor ainda, hoje fiz o passeio com a mota com a qual andei pela primeira vez há 24 anos.

Eis a dita, uma Mini Honda de 4 Velocidades:


Este passeio tornou-se ainda mais especial pois foi feito com duas Hondas: A Mini Honda  conduzida por mim) e um Honda CY80, conduzida pelo meu amigo Correia.


A primeira, em fase de restauro, necessitava de ser testada pois havia sido alterado o sistema de ignição (CDI ao invés dos originais platinados) o que se tornou motivo mais que suficiente para o passeio. 

A Segunda, já restaurada, para teste final. 

Ambas umas “relíquias” com cerca de trinta e poucos anos mas em óptimo estado, a serem restauradas pelo meu amigo Correia em conjunto com a oficina bastante conhecida no mundo das motos: a J.Saraiva Performance:


Ora bem, o trajecto à partida era simples: Amadora – Cabos Ávila – Marginal até ao Estoril e regresso.


O que parecia ser um passeio normalíssimo, acabou por se tornar um conjunto de peripécias engraçado. Vamos a isso.

Arrancámos da Amadora em direcção aos Cabos Ávila. Havia que testar a velocidade máxima da Mini Honda para ver se o sistema de ignição funcionava bem. Esta, em plena recta do Hipermercado “C”, atingiu os 80Km/h (segundo o velocímetro). Ao descer os Cabos Ávila, um pouco mais.

E eis o susto…um Primera encostado junto à saída para a CRIL…pois…RADAR. Embaraçado

Acho que morria a rir se fosse apanhado pelo dito radar em excesso. Felizmente apercebe-mo-nos atempadamente. Mas houve muitos automobilistas que não. Indeciso

Passado este primeiro susto, descemos até à Marginal e aqui….beleza…foi curtir a paisagem. Cool

Chegados ao Estoril, meia volta e paragem para um café e descansar as mãos. (Monocilindricas vibram que se fartam). Lingua


Aproveitamos para uma pequena sessão fotográfica que aqui partilho.


Nós


E “elas”


O feliz “restaurador” proprietário Cool


O feliz contemplado "test-pilot" Cool

 

Estava na hora de voltar. Com este tipo de mota, 50Km são bem diferente que de Deauville ou Lt. Lingua

Então toca a regressar…e aqui começaram as peripécias.


A regressar (via Marginal novamente), a minha Mini Honda começou a “engasgar-se” e já com dificuldade chegava aos 70Km/h. Começou então a fazer um barulho tipo metálico o que me levou a reduzir ainda mais. Saídos da Marginal, encostámos para ver o que se passava e verificámos que tinha perdido um parafuso (a mota, não eu Grin ) da tampa da corrente. 

Solução mais fácil, apertar o outro parafuso restante


Pois. Foi mesmo a mais fácil mas não a correcta. Ao fazer isto, a tampa “enjambrou”, a corrente andava a roçar na tampa e não permitia eu meter a 2ª velocidade….toca a parar outra vez e tomar medidas mais drásticas…FORA COM A TAMPA


Ficou a trabalhar que nem beleza….mas…outro problema: “Como vamos levar a tampa Hein ” 

Pois, é que estas motas não tem Top Case nem Malas Laterais….Solução: fui a uma Loja (neste caso uma padaria) e pedi 2 sacos de Plástico. Um para a Tampa, o outro para atar a tampa ao “porta couves” da CY.


Os nossos agradecimentos às Sras. da APAPOL (não passo a publicidade). Labios fechados

Ao arrancar, a CY não lhe “apetecia” pois havia-se afogado. Teve de pegar de empurrão e…”catrapumba”…amigo Correia no chão. Para não riscar a CY, ficou por baixo dela. Não se aleijou e eu só conseguia dizer:


“Então Correia? Já não tem 20 anitos…" (enquanto me ria que nem um perdido). Grin

Levantou-se, a CY pegou (como agradecimento pela “almofada” Wink ) e daqui até à Amadora, o único cuidado que eu tinha de ter era não meter os pezinhos onde não devia pois a tampa de protecção não existia.

Chegámos bem e contentes. Não há dúvida, Honda não pára. Sorridente

Foi uma manhã excelente. Foi uma manhã diferente. Foi uma manhã que não me esquecerei.

Um abraço a todos,


Eu


O meu grande amigo Correia


E “ambos nós os quatro”

 

 

O meu melhor amigo faleceu subitamente no dia 02.11.2012.

Foi cedo demais. Só sei dizer que foi cedo demais.

Até sempre meu amigo. Não te esquecerei nunca.

Obrigado por tudo.


website hosting main area bottom

Powered by Joomla!. Design by: template joomla 2.5  Valid XHTML and CSS.